OKR + Gamification: como colocar na prática?

OKR + Gamification: como colocar na prática?

Você sabe como reconhecer que seu colaborador tem dado bons resultados? De que forma podemos fazer com que ele consiga ter um feedback constante de si mesmo e de sua forma de trabalhar? Como o levamos a refletir se suas atitudes estão direcionadas para o caminho ideal ou se, de repente, ele está ficando para trás?

Agora nós vamos refletir sobre alguns pontos que para toda organização, falando no aspecto estratégico e cultural, é fundamental.

  • A representatividade que os seus colaboradores sentem no resultado geral da empresa;
  • Nível de engajamento desbalanceado entre as áreas relacionadas às estratégias da empresa;
  • Falta de protagonismo das partes interessadas;
  • Falta de transparência nos números atingidos e desempenho desejado.

Bom, para nos vestirmos melhor de contexto, vamos falar um pouco sobre OKR?

De forma sucinta, o OKR (Objective and Key Results) define quais são os objetivos (O) que a organização deseja alcançar em determinado período, e os resultados-chaves (KR) que mostram o como ou o caminho para atingir o objetivo.

Com base neste framework, é possível que os colaboradores tracem planos de ação informando de que forma vão contribuir no período para que a empresa atinja os objetivos esperados. Entende-se que esses planos de ação consistem em um desdobramento direto de outros objetivos e resultados chaves que colaboram de forma cascateada ao direcionamento dos objetivos principais da empresa.

E como o Gamification entra nisso?

Como o processo do OKR consegue chegar com nível estratégico nas pessoas, os colaboradores podem se situar e analisar como seu trabalho e suas entregas influenciam diretamente na estratégia do negócio. Mas, ainda assim, o engajamento dos colaboradores pode não ser tão bom ou desejável em relação as expectativas da empresa. Muitas das vezes o colaborador está trabalhando naquelas determinadas metas por uma “obrigação” ou somente porque a empresa determinou. É neste momento que a gamificação pode mudar a perspectiva cultural de uma organização como um todo na questão estratégica.

Johan Huizinga, autor do livro “Homo Ludens”, diz que um jogo é uma atividade ou uma ocupação voluntária, ou seja, o jogador deve estar de acordo com as regras e condições propostas para sua participação, bem como feedbacks, recompensas e objetivos a serem alcançados.

Bom, então se já temos os objetivos e resultados chaves, por que não usar alguns recursos da gamificação que permitem o aumento de engajamento, ficando claro que toda empresa tem mais chance também de realizar as estratégias previamente propostas?

Como associar Gamification ao OKR?

Dentro de uma estrutura gamificada, o feedback é tem muita força, pois ele é feito em tempo real. Ele mantém praticamente o usuário constantemente atualizado quanto ao seu desempenho construído. Ele consegue avaliar de forma milimétrica onde todo seu esforço ou atividades o levaram até o momento, o que ele precisa fazer para continuar ou reavaliar seus planos para melhorar seu desempenho através de uma sistemática de pontuação.  

Um outro recurso super relevante na gamificação é a recompensa pela sua pontuação compartilhada. Passa a ser um desejo do colaborador estar em uma boa posição com relação a outras equipes, pois a recompensa é associada a seu engajamento nos objetivos e resultados chaves estipulados. Nisto, conseguimos dar um passo, onde o tapinha nas costas não tem mais tanta relevância, mas a recompensa pelo bom trabalho ganha muito mais importância.

Como avaliar e pontuar?

Uma reunião de checkin já possui uma estrutura que colabora muito para a implementação da metodologia de gamificação, bem como avaliar a assiduidade do colaborador nas reuniões, se ele sabe a situação onde se encontra e se também consegue entender quais são seus próximos passos.

Na prática isso seria mais fácil de metrificar separando estes pontos e seus pesos, gerando a soma semanal no período designado aos OKR’s.

Vamos para um exemplo?

Regras do jogo:

  •         Possuir pelo menos um OKR para participação.
  •         Pontuação de 0 a 1 para cada requisito.

Requisitos avaliados:

  •         O colaborador fez check in?
  •         Compareceu na reunião?
  •         Foi objetivo na colocação?
  •         Sabe onde está no momento?
  •         Sabe onde deveria estar?
  •         Mapeou os impedimentos?
  •         Sabe os próximos passos?
  •         Cumpriu o combinado?

Critério do Ranking:

  •         Somatória de todas as semanas.
  •         Premiação para os 3 primeiros colocados nas áreas de negócio e nas áreas técnicas.

Por que isso vai funcionar?

Quando falamos em jogos, percebemos que são totalmente moldados e voltados ao comportamento das pessoas. Eles conseguem fornecer diversos estímulos, como o desejo de completar as fases e, consequentemente, progredir nos resultados. Fora isso, percebe-se em todo colaborador o desejo de estar muito bem posicionado no ranking para subir para um “next level” ou mostrar suas conquistas e medalhas.

Essas ações e estímulos devem ser alimentadas com feedbacks constante, sustentando o direcionamento do colaborador. Quando ele sente-se acolhido e honrado pelo seu esforço, automaticamente o cérebro libera a sensação de prazer pelo que ele faz, causando realização e satisfação.

Isso mostra que o game pode alcançar todos os níveis estratégicos de forma voluntária pelas pessoas, fazendo com que as mesmas tenham propósito para depositar sua energia.

Gostou das dicas? Se tiver interesse em saber como estruturar e organizar o gamification nos seus OKR’s, deixe aqui nos comentários que terei o prazer em te ajudar neste processo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *